Profº MsC. MÁRCIO BALBINO CAVALCANTE. Geógrafo - UEPB; Mestre em Geografia - UFRN e Especialista em Ciências Ambientais - FIP. - Cidade: João Pessoa, Paraiba - Brasil E-mail: marcio-balbino@hotmail.com SEJA BEM VINDO !!!
Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009
Praias brasileiras, paisagens em transformação¹

Por Márcio Balbino Cavalcante*

 

Ver imagem em tamanho grandeHá séculos, quando os primeiros colonizadores aportaram nas praias brasileiras, vislumbraram uma natureza prodigiosa. Florestas cobriam tamanhas extensões que pareciam não ter fim. Rios e milhares de espécies de peixes, aves e outros animais enchiam os olhos ávidos dos navegantes.

Locais de acumulação de areias quartzosas marinhas ou aluviais de largura dependente das marés e zona de contato do litoral com o mar, as praias brasileiras sempre impressionaram os diferentes grupos humanos que viveram e vivem em seu entorno. O Brasil tem mais de 1.500 praias, proporcionando um cenário rico em belezas naturais, paisagens paradisíacas quase inexploradas valorizadas por ricos patrimônios histórico-culturais, e que hoje são alvos da ação humana, caracterizando um espaço em transformação, fruto da urbanização e da atividade turística.

 

A geografia do litoral brasileiro

O Brasil é um país tropical, em que mais de 90% de seu território está concentrado ao norte do Trópico de Capricórnio, proporcionando grande variação climática e fitogeográfica. Além da nossa grande extensão territorial, cerca de 8.511.596,3 Km², o Brasil também possui um vasto litoral, banhado pelo Oceano Atlântico. Este litoral se estende desde a foz do Rio Oiapoque, no Amapá, até o Arroio Chuí, no Rio Grande do Sul, numa extensão de 7.367 quilômetros. Entretanto, se considerarmos as reentrâncias e as saliências, ou seja, os recortes do litoral, a sua extensão pode chegar a mais de 9.000 quilômetros, apresentando uma gama de ecossistemas: campos de dunas, ilhas, recifes, costões rochosos, baías e falésias interagindo com a vegetação de Mata Atlântica, que na época da chegada dos portugueses, representava 15% do território nacional e que hoje está reduzido a apenas 7,2% da sua área original.

Espaço de contradição

A partir do inicio do século XX, o litoral passou a responder a necessidade de crescimento das atividades econômicas ligadas ao setor terciário moderno e à demanda de lazer das populações urbanas, pondo fim ao isolamento secular em que viviam as comunidades agro-pesqueiras.

A natureza agora é vista como espetáculo de riquezas a serem exploradas e vendidas, as paisagens naturais disputadas para serem transformadas em espaços de aluguel e áreas dos entornos das praias sendo vistas como pedaços de terras mais caros do lugar. A orla marítima dos nossos tempos, palco para grandes investidores financeiros, controlada por agências imobiliárias que segregam sócio-espacialmente as dinâmicas dos lugares, tornando a região uma idéia de poder e domínio econômico do capital.

Assim, em pouco tempo, as vilas de pescadores começaram a ser substituídas por casas de veraneio, e o pescador deixou seu oficio e vendeu suas terras. A especulação imobiliária tirou o hábitat, o sossego, a caiçara de palha de coco, o lugar do recreio e do trabalho do pescador. As suas embarcações deixaram de pescar para levar turistas a passeios ecoturísticos a praias distantes, verdadeiros paraísos ecológicos, agora próximos ao mundo civilizado e distante das comunidades tradicionais.

O preço da ocupação

 

A expansão excessiva das atividades turísticas ao longo do litoral vem desencadeando grandes transformações nas paisagens. Quando se trata do litoral brasileiro, o patrimônio turístico está sendo destruído de maneira acelerada e irresponsável. A velocidade dos empreendimentos transforma as paisagens naturais, o próprio produto turístico, em lugar não turístico, onde o turista torna-se refém de uma estrutura fechada intramuros, sem nenhuma identidade com lugar.

Nesse sentido, torna-se prudente lembrar que o estado deve exercer um papel importante no tocante ao planejamento e gerenciamento desses recursos, com o propósito de amenizar os impactos sobre os ecossistemas praianos, tais como: criação de empregos permanentes; maior divulgação das potencialidades naturais e culturais do litoral; estabelecimento de programas de educação ambiental; melhoramento da infra-estrutura e dos serviços existentes nas pequenas cidades (segurança, postos de saúde, transporte, pavimentação e iluminação das estradas, saneamento básico e limpeza das praias). Mas para que isso ocorra de maneira eficaz é preciso superar a visão meramente utilitária, de índole capitalista, e desenvolvê-las baseado em critérios ecologicamente sustentáveis.

____________________________

¹Artigo originalmente publicado na Revista Mundo Jovem, novembro de 2006. e no Portal do Meio Ambiente, em 06 de janeiro de 2009.
*Geógrafo pela
Universidade Estadual da Paraíba - UEPB
. Pós-graduado em Ciências Ambientais - FIP/PB. Pesquisador do Terra - Grupo de Pesquisa Urbana, Rural e Ambiental da UEPB/CNPq.
cavalcantegeo@bol.com.br



Publicado por Profº Márcio Balbino Cavalcante às 00:25
Link do Artigo | Comentar | favorito

Visitantes ao Site
Artigos Publicados

Plano de Curso - Geografi...

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: DA ES...

RIO+20: DA FARSA ECOLÓGIC...

AQUECIMENTO GLOBAL: "TIRO...

Telescópio registra image...

Rio+20 deixa ação para pr...

ONU lança índice 'verde' ...

O desafio de garantir riq...

Desastres naturais matara...

“Não há desenvolvimento s...

"Rio+20 oxigenará debate ...

“A Rio+20 está atrasada. ...

5 de junho - Dia do Meio ...

Terremotos deixam mortos ...

UFRN registra aumento de ...

Quanta água existe na Ter...

Você sabe o que é um cont...

PONTO MAIS ORIENTAL DAS A...

Os terremotos quando a te...

"A GEOGRAFIA ESTÁ NA MODA...

22 de Março – Dia Mundial...

Paulo Freire e a reinvenç...

Do Código Florestal para ...

Para que serve a escola p...

A geografia da sociedade ...

MURO DE BERLIM: 20 ANOS D...

A GEOGRAFIA E A IMPORTÂNC...

Mais da metade do cerrado...

PANDEMIA DO LUCRO - A GRI...

Agricultura orgânica, por...

ALGUMAS PERGUNTAS E RESPO...

Temos realmente algo para...

Aquecimento Global - Opin...

Geógrafo defende renovaçã...

Charles Darwin e a origem...

A aula de campo: além dos...

Turismo no ambiente rural...

Praias brasileiras, paisa...

Uma Verdade Inconveniente...

A EDUCAÇÃO FRENTE ÀS NOVA...

Parque Estadual da Pedra ...

Bullying no ambiente esco...

NO ESCURINHO DA CLASSE - ...

A SOCIEDADE DE CONSUMO EM...

A GEOGRAFIA E SUA IMPORTÂ...

O CONCEITO DE PÓS-MODERNI...

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIME...

A PSICOLOGIA AMBIENTAL E ...

GLOBALIZAÇÃO A OLHO NÚ: I...

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: DA ES...

PESQUISE:
Enviar textos, monografias e artigos para publicação.
Loading...
Contador de visitas ao site
Sites
Contador de visitas grátis
Pesquisar neste Site
 
As minhas fotos
subscrever feeds
blogs SAPO