Profº MsC. MÁRCIO BALBINO CAVALCANTE. Geógrafo - UEPB; Mestre em Geografia - UFRN e Especialista em Ciências Ambientais - FIP. - Cidade: João Pessoa, Paraiba - Brasil E-mail: marcio-balbino@hotmail.com SEJA BEM VINDO !!!
Sábado, 19 de Maio de 2012
PONTO MAIS ORIENTAL DAS AMÉRICAS AMEAÇADO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA, BRASIL

Barreira pode sumir em 20 anos

Erosão pode recuar até 40 metros da falésia do Cabo Branco; intervenção precisa ser feita para conter desgastes
 
ALINE GUEDES
 
Em 20 anos, o Farol do Cabo Branco pode desaparecer, se nada for feito para conter a erosão na Barreira e na Ponta do Seixas, em João Pessoa. Essa é a previsão de especialistas, que afirmam que é preciso haver uma intervenção urgente, para que o seu título de “extremo mais oriental das Américas” não esteja ameaçado. De acordo com o geógrafo da Secretaria de Meio Ambiente de João Pessoa (Semam-JP), Williams Guimarães, nesse mesmo período, o fenômeno pode recuar aproximadamente 40 metros nas falésias.
 
Estudo mostra que a Barreira do Cabo Branco, em JP, recua quase 2 metros
por ano. Foto: Uênia Barros/Correio da Paraíba

O recuo da Barreira oscila entre 0,46 metros e 1,92 metros por ano, e vem aumentando sensivelmente nas últimas décadas. Mas em alguns pontos, a erosão é maior, como na praia do Seixas. “No ano de 2011, o recuo foi de aproximadamente três metros no trecho que compreende o estacionamento do Seixas”, disse o geógrafo.
 
Erosão na Barreira do Cabo Branco. Previsão para 2013
é alarmante. InfografiCORREIO. Sérgio Bilous.

A projeção é resultado de uma pesquisa concluída em 2009 que durou três anos, envolvendo oito equipes de pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e de Pernambuco (UFPE), coordenado pela Semam. O geógrafo Williams Guimarães participou da comitiva da pesquisa e, desde então, monitora as áreas consideradas mais críticas de erosão: praia do Seixas, Barreira do Cabo Branco e Praça de Iemanjá.
 
Segundo ele, dos quatro Estados do Nordeste que têm caráter erosivo no litoral - Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte -, a situação da Paraíba é considerada a mais grave. “Não temos nenhuma intervenção até agora. Todas as outras capitais já têm ou iniciaram alguma obra de contenção”, disse. A Paraíba possui 147 km de litoral, sendo 42% erosivo. 
 
“Drenagem da área foi prejudicada”
A localização da Estação Ciência também é posta em xeque pelo especialista. “Não é a obra em si que traz danos, mas a vegetação que foi retirada do local para construí-la, o que ocasiona infiltração de água das chuvas, um dos maiores vilões da erosão. Toda intervenção no meio ambiente traz consequências e, nesse caso, a drenagem da área foi prejudicada”, explicou.
 
De acordo com um dos coordenadores do projeto, o geólogo da UFPE, Paulo Nóbrega, a área da praia do Seixas à praça de Iemanjá apresenta uma morfologia característica, com enseadas e pontos rochosos se alternando na costa, o que favorece a concentração da erosão nas pontos em direção ao mar, enquanto as baías são locais preferenciais de sedimentação, devido à baixa energia das ondas. “A Bareira do Cabo Bronco é um monumento, um ícone. Não podemos deixá-la ser destruída. Lógico que não devemos lutar contra o mar, apenas nos defender’, disse.
 
Obras não têm data para iniciar
Projeto para conter erosão da Barreira do Cabo Branco ainda não saiu do papel; obra custa R$ 13 milhões
 
Apesar das previsões preocupantes de especialistas para as próximas duas décadas na Barreira do Cabo Branco, o estudo que custou R$ 677 mil para conter a erosão do local ainda não saiu do papel Três anos depois, o projeto só possui uma das três licenças necessárias para começar a obra e esbarra na morosidade do trâmite da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Sudema). A construção está orçada em R$ 13 milhões, mas ainda não tem previsão para começar.
 
Depois de três anos de pesquisa, a técnica escolhida foi o enrocamento aderente, uma estrutura construída paralela à praia com rochas graníticas e revestidas com uma manta têxtil, que dissipa a energia das ondas e reduz a erosão. “É uma técnica similar às estruturas montadas nas praias de Boa Viagem e Olinda, que datam do final da década de 1990 e já apresentam recuperação da área. Se não tiver a manta têxtil no assoalho, a erosão é maior, por isso só jogar a rocha não adianta”, explica o geógrafo Williams Guimarães.
 
Mas o especialista ressalta que a contenção não vai resolver o problema da erosão. “Isso é uma ação natural, não tem como evitar, Estamos apenas criando situações para dar sobrevida às estruturas ancoradas naquele local. Por exemplo, o prognóstico de perdermos 40 metros em 20 anos pode ser desacelerado para 60 anos com o enrocamento aderente”.
 
Segundo Williams, para dar início à obra são necessárias as licenças: prévia, de operação e de instalação. A primeira demorou quatro meses para sair. “Dei entrada em agosto de 2011 e só saiu em dezembro”, disse. Atualmente, a licença de operação está em trâmite na Sudema mas o andamento do processo retardou ainda mais porque o Conselho de Proteção Ambiental do Estado (Copam) pediu para reanalisar o documento. “O processo é moroso. Nossa preocupação é porque estamos lidando com uma situação urgente e se a obra demorar muito a sair, o projeto pode perder a credibilidade”.
Morosidade: Projeto só possui uma das três licenças necessárias para começar as obras na Barreira 
Geógrafo teme que inverno acelere o processo 
O geógrafo Williams Guimarães teme que o inverno desse ano seja rigoroso e traga mais prejuízos. Na mesma estação do ano passado, a via que compreende o trecho do farol até a rotatória do Cabo Branco caiu. “Na verdade, não deveria nem ter trânsito naquele trecho. Assim como prevê a legislação, toda rodovia localizada em topos de falésias deve ser afastada, no mínimo, 100 metros. Ali, a distância é de aproximadamente 30 metros apenas”, alerta. O renomado paisagista Roberto Burle Marx fez um projeto para impedir o avanço do mar nos anos 1970, mas a concepção nunca foi levada à frente. A erosão costeira é resultante da ação das ondas, do vento, das águas pluviais e da ação do homem, principalmente na retirada da vegetação e construções próximas às falésias. “Temos duas estações bem definidas no nosso Estado: verão e inverno. No verão, o mar deposita areia nas praias. No inverno, o processo é inverso: a areia é retirada. Mas, no nosso litoral, a retirada é maior que a deposição. A erosão causada pelas ondas é justamente essa dinâmica desequilibrada”, esclareceu.
  
Estima-se que a Barreira do Cabo Branco tenha recuado cerca de 500 metros, desde tempos remotos, antes da colonização. De acordo com o projeto, as áreas ameaçadas pela erosão costeira constam na lista dos locais preferidos pelos turistas em João Pessoa. Segundo uma pesquisa do Instituto Fecomércio de Pesquisas Econômicas e Sociais (IFEP/PB), 71,15% visitam o Farol do Cabo Branco e 57,95% a Estação Ciência.
 
Professor não acredita em recuo
O debate da erosão no litoral pessoense é antigo, mas continua polêmico. Enquanto alguns especialistas clamam por uma medida emergencial, outros não acreditam na rapidez do recuo das falésias. É o caso do geólogo da UFPB, Eduardo Galliza, que não aposta no desmoronamento da falésia, como aponta o estudo da Semam. “O recuo da falésia não é tão rápido quanto se divulgam. E não existem parâmetros científicos para afirmar que ela desaparecerá em 20 anos. São apenas especulações, sem nenhum lastro científico”, argumenta.
 
O geólogo também não concorda com nenhuma das alternativas propostas para conter o processo erosivo na falésia do Cabo Branco. “Creio que é mais uma questão político-administrativa que envolve grandes cifras. João Pessoa tem inúmeros outros problemas, inclusive ambientais, que requerem mais atenção e urgência”. Entretanto, Galliza defende que entre as diversas alternativas propostas ao longo das últimas décadas a mais adequada, por ser a menos impactante, é a construção de recifes artificiais.
 
“Na minha opinião, colocar muros de contenção ou de arrimo, destruiria a beleza da paisagem. Mas já cogitaram muitas outras técnicas, como uso de gabiões e até uma rodovia por baixo da falésia, há 15 anos atrás. Existe uma pressão política no sentido de se fazer alguma coisa. Mas esse é um fenômeno lento do ponto de vista geológico. A prioridade deveria ser a disciplina na ocupação do homem nessas áreas”, alega.
Eduardo Galliza explica que a erosão não é linear. Ela ocorre onde há a ação mais intensa das ondas do mar, o que leva ao desmoronamento da barreira. Entretanto, a própria parte que cai protege mais a falésia evitando outro desmoronamento no mesmo local. “Esse material, ao se depositar no sopé das falésias, serve de proteção natural às mesmas. Os blocos ali depositados dissipam parte da energia das ondas protegendo a área e retardando o recuo da falésia no local”, disse.

Fonte: Correio da Paraíba, João Pessoa, domingo, 13 de maio de 2012. Cidades, B1-B2.

 

Artigo extraído originalmente do Blog Meio Ambiente da Paraíba

(matéria publicada em 19 de maio de 2012)

Fonte: http://pmapb.blogspot.com.br/2012/05/barreira-pode-sumir-em-20-anos.html

 




Publicado por Profº Márcio Balbino Cavalcante às 23:29
Link do Artigo | Comentar | favorito

Visitantes ao Site
Artigos Publicados

Plano de Curso - Geografi...

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: DA ES...

RIO+20: DA FARSA ECOLÓGIC...

AQUECIMENTO GLOBAL: "TIRO...

Telescópio registra image...

Rio+20 deixa ação para pr...

ONU lança índice 'verde' ...

O desafio de garantir riq...

Desastres naturais matara...

“Não há desenvolvimento s...

"Rio+20 oxigenará debate ...

“A Rio+20 está atrasada. ...

5 de junho - Dia do Meio ...

Terremotos deixam mortos ...

UFRN registra aumento de ...

Quanta água existe na Ter...

Você sabe o que é um cont...

PONTO MAIS ORIENTAL DAS A...

Os terremotos quando a te...

"A GEOGRAFIA ESTÁ NA MODA...

22 de Março – Dia Mundial...

Paulo Freire e a reinvenç...

Do Código Florestal para ...

Para que serve a escola p...

A geografia da sociedade ...

MURO DE BERLIM: 20 ANOS D...

A GEOGRAFIA E A IMPORTÂNC...

Mais da metade do cerrado...

PANDEMIA DO LUCRO - A GRI...

Agricultura orgânica, por...

ALGUMAS PERGUNTAS E RESPO...

Temos realmente algo para...

Aquecimento Global - Opin...

Geógrafo defende renovaçã...

Charles Darwin e a origem...

A aula de campo: além dos...

Turismo no ambiente rural...

Praias brasileiras, paisa...

Uma Verdade Inconveniente...

A EDUCAÇÃO FRENTE ÀS NOVA...

Parque Estadual da Pedra ...

Bullying no ambiente esco...

NO ESCURINHO DA CLASSE - ...

A SOCIEDADE DE CONSUMO EM...

A GEOGRAFIA E SUA IMPORTÂ...

O CONCEITO DE PÓS-MODERNI...

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIME...

A PSICOLOGIA AMBIENTAL E ...

GLOBALIZAÇÃO A OLHO NÚ: I...

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: DA ES...

PESQUISE:
Enviar textos, monografias e artigos para publicação.
Loading...
Contador de visitas ao site
Sites
Contador de visitas grátis
Pesquisar neste Site
 
As minhas fotos
subscrever feeds
blogs SAPO